quinta-feira, 24 de março de 2011

TRAVA

Soneto Do Amor Total
Amo-te tanto, meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.
Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.
Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.
E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

       Quando conseguirei falar abertamente o que eu sinto??? Porque é tão dificil falar sobre o que salta aos olhos de qualquer um??? Existe em mim uma grande necessidade de te dizer o que se passa em meus pensamentos...  mas, a minha voz trava, as palavras não saem e eu fico me sentindo sufocada. Não entendo como algo que parece ser tão facil, pode ser tão torturante... isso dilacera meu espirito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário